Praia do Forte - Bahia, Brasil

22-11-2017

Finalmente chegou a vez de visitar o Brasil!

Após alguma pesquisa o local escolhido foi a 70 km a norte de Salvador da Bahia, mais precisamente na zona da Praia do Forte, no hotel Iberostar Bahia.

Desta vez o voo foi com a TAP e nada a apontar... muito tranquilo com muito espaço para as pernas, monitor individual, filmes à escolha, tudo top.

Após um longo voo de cerca de 10 horas, quando já estavamos quase a aterrar, podemos ter uma visão aérea da grande extensão que ocupam as favelas... por lá...  denominadas como C.D.D., Comunidades de Desenvolvimento Desordenado, que existem em Salvador. Sem dúvida uma visão incrível para alguém, como eu, que me estreava neste país.

Não vou falar muito acerca do hotel, visto que em termos de infraestruturas é semelhante ao Iberostar Hacienda Dominicus (em Bayahibe, R.D.). A fauna e flora aqui é fantástica, sendo o local ideal para observar pequenos macacos curiosos que andam sempre em busca de comida, tartarugas, baleias, etc, dependendo da época do ano.

Para quem como eu gosta de uma boa água de coco, este é o local ideal ou não se chamasse a esta zona litoral a Costa do Coco... Todos os dias pela manhã o hotel é abastecido de cocos para que os clientes possam disfrutar. Eu tive de fazer o sacrifício e tirar a barriga de misérias... LOL

  • Estes foram os meus companheiros que todos os dias nos visitavam. Na estrada principal que liga Salvador ao hotel vão existindo passagens superiores feitas propositadamente só para eles. Bom exemplo de como se respeita a natureza por aqui. 

Artesanato local feito de coco na praia do hotel.

Em relação à praia junto ao hotel, posso dizer que a água não me surpreendeu, sendo Atlântico puro. Ha zonas com ondulação e outras com mar chão. A temperatura da água é bastante quentinha (talvez perto dos 27ºC/28ºC).

Dado que estávamos perto da Praia do Forte, realizamos várias caminhadas em direcção a este vilarejo. Estas caminhadas foram sempre feitas junto ao mar aproveitando as piscinas naturais que me fizeram lembrar o caribe.

Ao sair do Hotel fomos aconselhados a realizar sempre os passeios em direção à Praia do Forte, pois para o lado esquerdo em direção a Imbassaí o trajeto não era completamente seguro.

Na praia do forte podemos visitar o Projeto Tamar cujo objetivo é lutar pela preservação de espécies de tartarugas marinhas em vias de extinção. Muito bom!

Projeto Tamar
Projeto Tamar

Além disso a Praia do Forte é um local ideal para comprar algumas recordações desde artesanato, a quadros ou mesmo as tão famosas havaianas a preços loucos. LOL

SALVADOR

Salvador da Bahia foi a primeira capital do Brasil, entre 1549 a 1763. É  uma cidade que possui cerca de 3 milhões de habitantes. Por ser uma ex-colónia portuguesa, o Brasil apresenta montes de detalhes que lembram o nosso país. A primeira coisa que se vê quando se chega a Salvador, (tal como a última quando se parte), são as favelas que envolvem a cidade a perder de vista. Os tons predominantes de laranja combinados com as cores vivas lembram-nos que aqui a realidade é diferente da que estamos acostumados a ver. Sente-se um misto de qualquer coisa como respeito e estupefação...!

Farol da Barra, ou Farol de Santo António fica localizado dentro do Forte de Santo António da Barra. Foi construído em 1698. É considerado o mais antigo farol da América!

Mercado Modelo, foi inaugurado em 1912 e é o local ideal para comprar artesanato, comida e lembranças de Salvador. Os preços são interessantes por aqui. É uma das principais atrações turísticas da cidade.

Elevador Lacerda, foi inaugurado em 1873 sendo o primeiro elevador do mundo a servir como transporte público. É também um dos símbolos da cidade de Salvador. Ele liga a Praça Tomé de Sousa na Cidade Alta (Pelourinho) até a Praça Cayru na Cidade Baixa (próximo ao Mercado Modelo). No alto das suas torres temos uma visão privilegiada da Baía de Todos os Santos, do Mercado Modelo e do Forte de São Marcelo. Tem 72 metros de altura!

Pelourinho, esta zona é considerada o centro da cidade mas parece estar desligada do resto da cidade pois nada tem a ver. O Pelourinho foi tornado Património Cultural da Humanidade pela Unesco em 1985 e é um dos principais cartões de visita. Lá estão localizados restaurantes, lojas de artesanato, igrejas, centros culturais, casas antigas em estilo colonial e o batuque do Olodum. A atmosfera que se sente é muito positiva.

Igreja de Nosso Senhor do Bonfim, a das fitinhas!

A Igreja do Senhor do Bonfim foi construída entre os anos de 1746 e 1754 e é um dos pontos turísticos mais visitados da cidade. O Senhor do Bonfim é um ícone da fé baiana. A origem da famosa fitinha do Senhor do Bonfim remete para uma tradição com mais de 200 anos. Na parte da frente da igreja, no gradeamento que a circunda os devotos amarram fitinhas e fazem os três pedidos para o Senhor do Bonfim. Eu também o fiz! LOL

Mangue Seco, a terra da Tieta do agreste!

A última praia do estado da Bahia, na fronteira com Sergipe. Mangue seco ficou famosa por ter sido o  local onde foi filmada a novela Tieta do Agreste que teve como base o famoso romance de Jorge Amado e que deu origem a uma das primeiras novelas com grande sucesso em Portugal, que os mais velhos (cotas) ainda se recordam.

Para chegar a Mangue seco tivemos que fazer 240 km no litoral desde Praia do Forte pela linha verde, (estrada que nasce no aeroporto de Salvador e que até à Praia do Forte se chama Estrada do Coco, depois até ao seu final em Mangue Seco, já no limite com o estado de Sergipe se chama Linha Verde).

Grandes máquinas à nossa espera
Grandes máquinas à nossa espera

A Vila de Mangue Seco, cujo nome oficial é Santa Cruz da Bela Vista, vista do rio.

As dunas e os coqueiros por onde andou a Tieta e a praia que parece que não tem fim são as grandes atrações que se estendem por 30 km cercados pelo mar e pelo Rio Real.

Rio Real com Mangue seco ao fundo

Mangue Seco: dunas a perder de vista.

O Rio Real visto do alto das dunas

A população de Mangue seco não ultrapassa os 200 habitantes e assim dá para ter uma ideia da exclusividade desta zona, sendo a última praia no extremo norte do litoral baiano. Por aqui os passeios de buggy pelas dunas e de barco são as principais atrações.

Por fim o regresso, mas com uma promessa de um dia voltar!